Advento: Aplanai os caminhos do Senhor


               Advento: Aplanai os caminhos do Senhor

Não é suficiente reconhecer a urgência de aplainar os caminhos. É preciso disposição ao assumir propósitos que norteiem e reeduquem para o sentido de justiça e paz.

O tempo do Advento, sábio e indispensável período de preparação, enriquece a celebração do Natal, livrando-a das superficialidades. Importante oportunidade para o aprimoramento humano e espiritual, faz ecoar este convite irrecusável: “Aplainai os caminhos!”. A competência educativa e o conhecimento refinado de política fazem do profeta Isaías porta-voz de uma indicação preciosa para orientar os passos na superação dos mais difíceis desafios. Uma preciosidade que reluz quando se consideram os cenários da sociedade contemporânea. O convite para aplainar os caminhos é o remédio e a indispensável reação às inúmeras crateras que se abrem na vida do povo, como consequência do absurdo comprometimento do bem comum e das lamentáveis negociações da justiça.


Há rombos nas instituições, nas empresas, nas igrejas, nas famílias, nas organizações, na política e também no fundo do coração das pessoas. Esse mapa complexo revela tantas marcas nesses corações, que impedem o traçado de um equilibrado percurso. A construção cotidiana da vida fica sempre aquém das metas mínimas necessárias para a construção da paz, do grande bem que só se alcança quando a cidadania e a vivência da fé são assumidas como compromissos prioritários. E na contramão do grande sonho de se concretizar um projeto humanitário de paz, as estatísticas revelam aumento da violência, situando a sociedade brasileira entre as que vivem em pé de guerra, com incidências de mortes até mais elevadas.

O convite feito por Isaías – “Aplainai os caminhos!”– chega mais próximo de todos na voz clamante do deserto, pela figura inigualável de João Batista, na inauguração do tempo do Novo Testamento, quando o profeta anuncia a chegada de Jesus Cristo, o Príncipe da Paz, Senhor e Salvador.

Assim, este tempo precisa ser entendido como campanha para capacitar todos na missão de “construtores” desta paz desafiada não só pelos quadros de violências fatais e absurdas, como também pela busca desarvorada e mesquinha pelo dinheiro. Conduta que envenena as relações pessoais e cidadãs com a corrupção, que envergonha a nação como, lamentavelmente, desenha-se e emoldura-se o horizonte da sociedade brasileira.

Contudo, não é suficiente reconhecer a urgência de aplainar os caminhos. É preciso disposição ao assumir propósitos que norteiem e reeduquem para o sentido de justiça e paz. Proposta de vida que se constrói a partir de princípios amplamente conhecidos, mas cada vez menos vividos e que, de modo pedagógico, como fez nosso Deus, não nos custa recordar. Não é demais pautar um decálogo, não como ordem, mas um convite ao trabalho na urgente tarefa de restabelecer a paz entre nós:

1. Respeitar, pelo princípio da igualdade, incondicionalmente, cada pessoa;
2. Preservar o ambiente para superação de danos à convivência humana;
3. Lutar pelo respeito dos Direitos Humanos;
4. Investir para que cada família seja comunidade de paz;
5. Trabalhar e solidariamente repartir, para que a ninguém falte o necessário;
6. Desmantelar os esquemas geradores de conflitos, desde os desarmamentos até os litígios pessoais que comprometem o coração da paz que cada pessoa deve ter;
7. Perdoar sempre, porque não há justiça sem perdão nem paz sem amor;
8. Professar e testemunhar a fé como compromisso de fomentar a solidariedade fraterna;
9. Gostar da verdade e por ela reger diálogos e relacionamentos para ser obreiro da paz;
10. Preservar a criação pelo tratamento civilizado dos seus bens, direito de todos.

E faço aqui outro convite, desta vez, à reflexão: Você escreveria um decálogo diferente? E qual seria a sua proposta? Indispensável é assumir propósitos que possam nos levar ao amor e à paz, a uma experiência verdadeira de Natal, atendendo ao pertinente convite deste tempo: “Aplanai os caminhos!”.

Santidade não é um conjunto de regras e nãos


           Santidade não é um conjunto de regras e nãos

Seremos santos à medida que a santidade não for um peso ou uma imposição

A cada novo amanhecer podemos e devemos trilhar este belo caminho. Ser santo é fazer de cada acontecimento uma oportunidade única para manifestarmos o amor de Deus em nossos gestos e palavras.



Não é necessário regras para ser santo quando o amor de Deus é quem nos guia. Muitos estabelecem para si um conjunto de regras que não conseguem cumprir. O caminho da santidade é construído no cotidiano da nossa vida. Os santos nos ensinam essa verdade: santo é quem faz da sua vida um altar do amor. Eles atingiram a santidade, porque viveram a vida com todas as consequências da caminhada: erros e acertos; alegrias e tristezas; luzes e trevas.

O que é ser santo? Ser santo não é ser perfeito, mas buscar a perfeição. Se fôssemos perfeitos, não seria necessário buscarmos a santidade, pois já seríamos santos de fato. Os grandes santos nos ensinam que viver reconciliados com nossa humanidade é fundamental para quem se propõe buscar a santidade. São Francisco de Assis reconciliou seu lado humano com o mistério da morte, a tal ponto de chamá-la de irmã morte. Santa Terezinha do Menino Jesus trilhou seu caminho de santidade na obediência e no amor.

O caminho da santidade passa essencialmente pelos territórios humanos que compõem o nosso ser. Buscar a santidade e esquecer-se de reconciliar-se com o humano é fonte de problemas psicológicos sérios.

Querem ser santos, mas vivem tão cheios de regras e ‘nãos’ para si que se tornam reféns de si mesmos. Muitos têm trilhado este caminho perigoso. Olham para os santos como se esses nunca tivessem pecado na vida. Os santos só conseguiram chegar à santidade, porque, por meio de suas próprias imperfeições, buscaram, a cada dia, ser melhores. O caminho da santidade começa a ser trilhado quando o presente se torna um lugar de reconstrução. O passado nos ensina o erro cometido, o presente é lugar por excelência de recomeçar e o futuro é morada da esperança.

Muitos querem ser santos, mas ainda não aprenderam a ser humanos.Desejariam ser robôs programados para fazer somente o bem, mas a realidade é permeada de imperfeições. Acordam com o olhar no ideal perfeito de uma vida sem erros, mas adentram a noite perdidos nas trevas do erro. Buscam a perfeição, mas se esquecem de se reconciliar com o que ainda está em construção. Andam pelas margens da estrada da vida e se desviam das pedras necessárias para o amadurecimento. As pedras que se encontram no meio da estrada só serão prejudiciais se nada aprendermos com elas.

Deus não quis robôs. Eles nos fez humanos para que descobríssemos a felicidade escondida nos mistérios mais simples e bonitos da vida. Seremos santos à medida que a santidade não for um peso ou uma imposição, mas sim um estilo de vida, vivenciado na liberdade de filhos e filhas de Deus.

Como fazer da recaída uma oportunidade de fortalecimento


  Como fazer da recaída uma oportunidade de fortalecimento

É preciso, o quanto antes, erguer-se para não perder tempo, não perder o ritmo

Com essa etapa da entrevista motivacional, chegamos ao fim de nossa série, trabalhada em diferentes temas a cada semana. No encontro anterior, falamos da fase de manutenção, na qual a pessoa procura se manter no novo comportamento, permanecendo abstinente. Hoje, abordaremos algo importante e, muitas vezes, assombroso para o dependente: a recaída.



A primeira coisa que deve estar clara para aquele que está em processo de mudança comportamental é que os deslizes e recaídas são comuns e, até mesmo, esperados nessa trajetória. Sobretudo para a família, é importante que não se encare esse momento como um fracasso ou ruína, mas uma oportunidade de fortalecimento de aspectos que poderiam ser melhor abordados e vividos durante o tratamento. Quando o indivíduo sofre uma recaída, ele retorna para alguma das etapas do caminho motivacional abordadas anteriormente: a pré-contemplação, a contemplação ou a ação.

Nesse momento, é importante o apoio e o encorajamento do dependente, reforçando, com ele, as estratégias que anteriormente foram traçadas e, se necessário, trilhar novos caminhos, começando de novo, às vezes, a partir de um outro ponto, com uma nova abordagem. É comum que o desânimo e o sentimento de culpa alcancem grandes proporções nesse cenário, o que requer do usuário e da família um olhar de esperança, fé e confiança mútua.

No consultório, ao acolher um paciente em recaída, procuro identificar, com ele, as situações relacionadas àquela queda. De forma concreta, auxilio-o a identificar onde, com quem e, sobretudo, a motivação que o levou a retornar o uso do álcool ou de outras drogas, apesar de sua firme decisão inicial pela abstinência. Aqui é imprescindível que ele encontre o motivo que o fez cair e, principalmente, o sentido para se reerguer.

É comum que a autocondenação ou a culpabilidade externa, sobretudo familiar, atrasem a saída dessa fase, pois pioram a autoestima do dependente, em vez de incentivar a autoconfiança. O remorso ou o apontamento dos erros são muito diferentes da responsabilização do paciente, que é algo importante e deve acontecer dentro de uma abordagem correta. O momento é de retomada de rumos e para isso a condução deve ser cuidadosa e qualificada, dentro de uma perspectiva motivacional.

Como qualquer dança, existem os tropeços e até mesmo as quedas. Mas isso não significa que a música se silencia ou que os passos não podem ser retomados. Pelo contrário! É preciso, o quanto antes, erguer-se para não perder tempo, não perder o ritmo.

A Palavra de Deus ensina que é preciso perdoar 70×7 vezes. Perdoar aos outros, perdoar a si mesmo também. Atirar pedras ou deixá-las sobre nós é como fechar-se em um sepulcro de desconfiança, medo e baixa autoestima. Levantar-se sempre que cai significa romper a porta do sepulcro da morte, deixar a pedra rolar e a vida, outra vez, vencer!

Como iniciar uma vida de oração


                   Como iniciar uma vida de oração

Uma das maiores dificuldades de quem faz o propósito de iniciar uma vida de oração é a perseverança

Começar não é fácil, e persistir na decisão é ainda mais difícil. Todas as decisões na vida necessitam de disciplina, caso contrário, estão condenadas ao fracasso. Na vida de oração não é diferente. A mesma requer: disciplina, perseverança e fidelidade.



O primeiro passo é adquirirmos a consciência da importância da oração em nossa vida espiritual. Sem uma vida orante, nossa alma desfalece. E quando isso ocorre, perdemos-nos, em primeiro lugar, de nós mesmos. Em segundo lugar, perdemo-nos de nossos irmãos e irmãs. E em terceiro lugar, de Deus.

Deus permanece fiel ao nosso lado. Nós, contudo, nos afastamos dele e de Sua presença. E uma vez afastados, peregrinamos sem rumo. Não sabemos para onde caminhamos nem qual a direção correta para os nossos passos. Uma vida de oração fecunda nos devolve ao porto seguro de nossa caminhada espiritual: o próprio Deus.

Adquirida essa consciência da importância da oração na vida espiritual, seguimos para o segundo passo: a decisão de orarmos. Esse passo é também difícil. No início, vão surgir mil e uma coisas mais importantes a serem feitas. A decisão requer coragem para avaliar quais são as verdadeiras prioridades para nosso bem estar espiritual. Muitas demandas da vida diária, que antes não eram tão importantes, surgiram como necessitadas de prioridades urgentes para o momento presente. Diante desses conflitos humano-espirituais será preciso parar, olhar com calma a realidade presente e decidir o que é mais importante para a alma naquele momento.

Uma vez decididos a dedicar um momento do dia à vida de oração, seguimos para o próximo passo: a escolha do tempo de oração. Para quem nunca cultivou uma vida assim, é preciso prudência e discernimento. No momento do impulso, poderão surgir decisões precipitadas. Muitos começam sua vida de oração com um hora diária e, depois de 5 dias, estão desesperados e não conseguem ficar nem mais um minuto em oração. É preciso equilíbrio quando o assunto é tempo. Não adianta começar uma rotina de oração com uma hora se ainda não está acostumado a rezar nem vinte e cinco minutos sozinho. Um bom tempo para se reservar, neste primeiro momento, é vinte minutos diários de oração. Antes vinte minutos bem rezados que uma hora de eterno desespero.

Comece com vinte minutos diários e, com o tempo, se sentir necessidade, aumente gradativamente este período. No entanto, este processo tem de ser realizado com muita calma e tranquilidade, respeitando seu ritmo interior e seu progresso espiritual.

 

©2010 GRUPO DE ORAÇÃO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA | Desenvolvido por Daniel Farnocchi