07 setembro 2018

Cultive suas amizades verdadeiras



                    Cultive suas amizades verdadeiras

                      As amizades verdadeiras produzem um amor que vem da alma



“Há pessoas que nos falam e nem as escutamos, há pessoas que nos ferem e nem cicatrizes deixam, mas há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam para sempre” (Cecília Meireles). As pessoas que nos marcam para sempre chamamos de amigos.






O que você acha de visitar um parque de diversões sozinho? Você vai gritar na montanha russa e não terá ninguém para gritar com você. Vai rir no trem fantasma e não haverá outro riso junto ao seu. Imagine-se sempre sozinho. Os passeios são agradáveis, os lugares são bons e as coisas são boas, porque há pessoas conosco. O bom não é o lugar, mas a companhia dessas pessoas que simplesmente aparecem em nossa vida e nos marcam para sempre.


Lendo alguns textos sobre amizade, deparei-me com o convite acima e fiquei imaginando todos os lugares que vou sem a companhia de alguém. Seja qual for a circunstância, tudo se tornará mais leve se estivermos bem acompanhados, amorosamente acolhidos por um amigo ou por alguém que ocupa uma função importante em nossa vida e conseguiu estabelecer amizade conosco.


O mundo está tão veloz que o novo formato de amizade não espera, não perdoa, não insiste, não aprende, não ensina e não entende que a verdadeira amizade é a esperança dos tempos atuais. A tecnologia avança nos mais diversos setores, mas tem trazido várias consequências. Escreve o Papa Francisco, na Exortação Apostólica ‘A Alegria do Evangelho‘, pag. 47, “que a maior parte dos homens e mulheres do nosso tempo vive o seu dia a dia precariamente, com funestas consequências: aumentam algumas doenças, o medo e o desespero apoderam-se do coração de inúmeras pessoas, a alegria de viver frequentemente se desvanece. Crescem a falta de respeito e a violência, a desigualdade social torna-se cada vez mais patente. É preciso lutar para viver”.


É justamente em meio a essas consequências que os verdadeiros amigos precisam ocupar um espaço em nossa vida, pois eles nos devolvem a alegria mesmo em tempo ruim. Passar pela tempestade acompanhado de pessoas que querem estar em nossa companhia é muito bom!


A vida que a cultura atual impõe não nos reserva tempo para fortalecer vínculos nem amadurecer as amizades. Tem-se feito amigo da noite para o dia sem nenhuma profundidade de relacionamento. O modelo das relações líquidas nos envolveu a tal ponto, que convivemos com a ideia de que todos se amam, todos são amigos e ninguém se conhece. Por isso é tão importante que os amigos se visitem, compreendam-se, aprendam a suportar seus bicos, seus erros e a se perdoar.


Arriscar-se por um amigo é sentir-se comprometido com a amizade, é sentir necessidade de sair de casa para visitá-lo e levar-lhe rosas. As pessoas estão ficando em casa, de portas e janelas fechadas, porque não cultivam suas amizades, não recebem mais visitas. Os amigos passaram. Que tristeza! Vivem de lembranças. E parece que a ausência de um ombro amigo está acontecendo em todas as esferas, quer seja familiar, religiosa, profissional ou social. Ops! Estamos falando de nós mesmos? O que está nos faltando para termos e sermos bons amigos?


Antigamente, fim de tarde, sol se pondo, era comum ver os pais sentados à porta de casa esperando seus amigos voltarem do trabalho. Eles visitavam seus compadres e levavam seus filhos para pedir a bênção a eles. Caso adoecesse algum amigo, eles eram os primeiros a chegar para socorrê-los. E hoje? Será que nos faltam esses bons modelos? A Palavra de Deus nos apresenta uma amizade que nos motiva a sair de nós mesmos e fazer o movimento de lutar por ela. A Palavra descreve a relação de Jônatas e Davi como um grande exemplo de amizade, que nasceu de um momento de angústia.


A alma de Jônatas, conta a Escritura, ligou-se à alma de Davi, porque precisava fortalecê-lo nos momentos de angústia e solidão. Então, Jônatas despiu-se de suas vestes reais, na presença de Davi, manifestando a mais profunda amizade por ele. Atitude bem semelhante à de Cristo. Por amor à humanidade, permitiu que Suas vestes fossem rasgadas e que Sua carne fosse cravada. Cristo se aliançou com a humanidade nesse momento. Ele fez uma aliança de amor para salvar o Seu povo. Jesus nos chama de amigos: “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer” (Jo 15,15). Jônatas se aliançou com Davi por amor, o qual já trazia consigo um comportamento dócil para fazer amizade, por ser um homem gentil e por fazer amigos facilmente. Até quando estava na caverna, conseguiu fazer amigos.


Concorda a Palavra, no Livro de 1 Samuel 16,18b, que a amizade feita por Davi, na caverna, fez com que ele se sentisse apoiado diante de homens de sua confiança. Contudo, nenhum deles tinha o amor e a fidelidade igual a de Jônatas.


Jônatas não deixou que o ódio e a inveja de seu pai o contaminassem. Ele usou do discernimento para ser amigo de um rei. Agradar ao Senhor, nessas circunstâncias, seria conservar, da melhor forma possível, a sua amizade com Davi. Portanto, a amizade entre eles era autorizada por Deus. Queria o Senhor que eles fossem amigos, e Jônatas e Davi fizeram uma aliança.


Em I Sm 18,4, “Jônatas despojou-se da capa que trazia sobre si e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, o seu arco, o seu cinto, o seu título”. Do cansaço de Jônatas descansou Davi.


Considera-se que nenhuma amizade seja tão marcante na Bíblia quanto a cumplicidade de Jônatas e Davi, a qual, ainda hoje, é criticada pela sociedade moderna. Compreende-se essa deturpação pela baixa frequência de relacionamentos fiéis de confiança e de amor entre pessoas do mesmo sexo. Amigos que produzem um amor que vem da alma. Nem os pais amam mais assim, nem os filhos nem os irmãos. A competição e a indiferença tomou conta das relações. A profundidade do vínculo estabelecido foi fortalecido por conta do agir de Jônatas no mundo de Davi. Este, por sua vez, modificou-se pelas consequências das ações do amigo. Jônatas o protegeu da morte; não cedeu aos caprichos e vaidades do seu próprio pai, o Rei Saul; renunciou à possibilidade de conquistar o maior título daquela época, viveu as consequências de ter se tornado o escolhido por Deus para ser amigo de Davi. Tanto este quanto Jônatas agiram sobre o mundo um do outro provocando as mudanças necessárias para a realização dos propósitos do Senhor. Os dois quiseram que a amizade que os unia se prolongasse e fosse verdadeira.


Hoje, as amizades começam, mas não duram. É necessário estar disposto a pagar um preço por uma amizade, principalmente se ela traz sinais do consentimento de Deus para sua existência. É importante sentir-se apto a cultivar uma amizade e a fraternidade com alguém merecedor do seu amor e da sua confiança. Davi reconheceu o valor do amor de Jônatas por ele. Diz a Palavra que quando este morreu, Davi lamentou a sua partida. Precisamos lamentar a partida de um grande amigo e se alegrar com sua chegada.


Deus abençoe os nossos amigos! Que possamos amar como Jônatas e sermos dóceis como Davi para atrairmos bons amigos.
Compartilhar:

05 setembro 2018

O perigo das falsas amizades e como lidar com elas


       O perigo das falsas amizades e como lidar com elas

            As falsas amizades são os maiores obstáculos para o crescimento espiritual


Assim como Deus nos dá amigos para nos conduzir à vida eterna e experimentarmos as realidades do céu, corremos o risco de nos deixar confundir pela falsidade, pelo erro das amizades que podem aparecer para nos desencaminhar da santidade e da verdade. Precisamos pedir o discernimento dos espíritos [cf. I Coríntios 12,10], a fim de analisar se as amizades são de Deus ou não.




Podemos ter amigos que querem nosso bem e outros que querem o mal. Estes últimos são chamados de falsos amigos. As falsas amizades são as que se fundem em qualidades sensíveis ou frívolas: “Não persistais em viver como os pagãos, que andam à mercê de suas ideias frívolas” (cf. Efésios 4,17), que são uma espécie de egoísmo disfarçado. Essas amizades vivem daquilo que é mundano: “Principalmente aqueles que correm com desejos impuros atrás dos prazeres da carne e desprezam a autoridade” (cf. II Pedro 2, 10).
Três espécies de falsas amizades

São Francisco de Sales distingue três espécies de falsas amizades: as amizades carnais, que atraem pelas paixões carnais e pela devassidão (cf. II Pedro 2, 18) buscando os prazeres voluptuosos; as amizades sensuais, que se prendem ao ver a formosura, ao ouvir uma doce voz, ao tocar; e as amizades frívolas, fundadas em qualidades vãs (festas, bebedeiras etc).

Existem diversos tipos de amigos falsos: os amigos do copo, que se reúnem somente para beber; amigos da prostituição; amigos do furto e roubo; amigos de fofocas; amigos de ganância e interesses; amigos do sexo.
Como podemos identificar a origem dessas falsas amizades?

Partimos da origem: elas começam de maneira repentina e forte, pois parte de uma simpatia, de um instinto, de qualidades exteriores e brilhantes e emoções vivas ou apaixonantes. Seu desenvolvimento: alimentadas por meios de conversas insignificantes, mas afetuosas, outras por meio de conversas muito íntimas e perigosas, por olhares frequentes, por carícias entre outros. Efeitos: são vivas, absorventes e exclusivas, imaginam que serão eternas e seguidas por outras afeições.

Perigos dessas amizades: são os maiores obstáculos para o crescimento espiritual. À medida que os apegos vão crescendo, vai-se perdendo o recolhimento interior, a paz da alma, o gosto dos exercícios espirituais e do trabalho. O pensamento foge, muitas vezes, para o amigo ausente. A sensibilidade toma as rédeas da vontade, a qual se torna fraca. Partindo para os perigos relacionados à pureza.

Devemos fugir dessas amizades por intermédio da aplicação do remédio certo desde o começo, pois assim é mais fácil, porque o coração ainda não está preso. O rompimento deve ser feito de maneira firme e energética. É necessário evitar procurar e pensar na pessoa em questão, e cortar toda espécie de vínculo ou ligação, antes que seja tarde.

“Cortai, despedaçai, rompei; não vos deveis deter a descoser essas loucas amizades, é forçoso rasgá-las; não convém desatai os seus nós, devem-se romper ou cortar” (São Francisco de Sales). Quem se expõe ao perigo acaba por sucumbir.
Compartilhar:

03 setembro 2018

Pessoas infernais e pessoas celestiais


                    Pessoas infernais e pessoas celestiais

                      É possível identificar as pessoas que são infernais ou celestiais





Depende de nós construirmos um mundo que edifica ou destrói quem está ao nosso redor. A vida de cada um de nós pode se assemelhar às alegorias de céu ou inferno. E a nossa língua é uma grande contribuinte na construção desse nosso modo de vida. A simples fala pode destruir ou elevar uma pessoa, uma carreira, uma família, uma amizade.

A partir das conversas no dia a dia, podemos distinguir entre as pessoas infernais e pessoas celestiais.



Pessoas infernais

As infernais, adoram ver o circo pegar fogo. Repassam novidades truncadas que não lhe dizem respeito, aumentam o drama de fatos que viram ou ouviram sobre alguém, e até atualizam o antigo “leva e traz”, por exemplo copiando conversas que tiveram por e-mail ou telefone com alguém, para, agindo de má fé, “partilhar” algo que foi dito só a elas, de forma privada. Elas incitam discussões vazias nas redes sociais, comentam com riqueza de detalhes fatos ruins, complicados e difíceis da vida alheia (e geralmente, a vida alheia não está perto, nem pode se defender).

Pessoas infernais têm a vida conturbada demais, e querem espalhar essa confusão para quem está perto. Elas tem uma existência vazia de significado, não conseguem colocar emoção no seu cotidiano simples e, portanto, precisa fazer da confusão sobre a vida das outras pessoas o centro de sua própria vida. A boca fala do que o coração está cheio, vidas infernais estão com o coração magoado, frustrado, e usam as palavras para transmitir isso para outras vidas.
Pessoas celestiais

Pessoas celestiais também comentam da vida alheia, mas destacando aquilo de bom que cada pessoa tem. A sua personalidade e presença inibe comentários que destroem o outro, pois conseguem trazer um discurso de paz e fraternidade. Em uma discussão, o foco das pessoas celestiais, não é falar das pessoas, mas compartilhar pensamentos e ideias inteligentes sobre qualquer tema, não sobre indivíduos específicos. Pessoas celestiais sabem, com elegância, cortar aquela conversa que não será frutífera, nem chegará a lugar algum sobre alguma tristeza da vida de alguém. Com sabedoria, conseguem perceber que a lenha jogada na fogueira pode ser apagada com educação e afeto, e talvez até a discussão contornada com uma proposta de ação para auxiliar aquela pessoa, naquele problema que está vivendo.

A vida das pessoas celestiais não é fácil, nem vazia, ao contrário, elas tem tanto com o que preencher seu dia a dia, que lhes parece estranho gastar tempo e discurso comentando outras vidas, sem poder auxiliar concretamente.


Seja celestial

Sabe aquela pessoa que sai de perto toda vez que alguém está fazendo fofoca, ou que interrompe a fala maliciosa com um assunto completamente diferente, quebrando a corrente infrutífera daquele papo? Isso é nobre demais, é celestial! Afinal, de fato, as pessoas são livres para falar o que quiserem, mas ninguém é obrigado a presenciar e testemunhar calado a destruição da honra e reputação de alguém, por meio de palavras, nem sempre recheadas de verdade, mas sim de muita maldade.

Pessoas celestiais até convivem com as infernais, mas não fomentam seu destaque ou crescimento, e minimizam a possível influência que essa falas infernais desejariam ter.

Conforme a gente vai deixando esses diferentes perfis se instalarem na nossa vida, nosso cotidiano pode se resumir em céu ou inferno. Depende de nós construirmos um mundo com mais ou menos gente assim.
Compartilhar:

01 setembro 2018

Para não falar mal dos outros



                            Para não falar mal dos outros

                        O que faço para me controlar, não julgar e falar mal das pessoas?



Uma pessoa muito desejosa para mudar de vida – se esforçava para não cometer os mesmos defeitos e pecados – me segredou: “Padre, o que faço para me controlar, não julgar e falar mal das pessoas?”

Como esta nossa irmã temos muitos pequenos defeitos e vícios que precisam ser controlados através de uma firme e consciente luta interior. Por exemplo: falar mal dos outros revela o quanto somos inseguros, invejosos e muita imaturidade para trabalhar os relacionamentos e conflitos interiores.





Um segredo para crescer nas virtudes é a perseverança nas suas práticas, e isso requer sempre esforço, renúncia e oração, contando sempre com o auxílio do Divino Espírito Santo, nosso mestre de santidade. Eu lembrei desta história. Ela nos ajuda a fazer uma revisão dos nossos costumes:


Certa pessoa encontrou-se com o filósofo Sócrates e lhe disse: “Tenho algo a lhe dizer sobre um amigo seu…”.

Sócrates respondeu: “Permita-me lhe propor passar pelo filtro triplo para aceitar seu comentário”.

A pessoa disse: Claro que sim! O que é esse tal de filtro triplo?”

E o filósofo esclarece: “Para que eu te ousa falar algo de alguém, mesmo que não fosse meu amigo, teria que passar por um filtro de três condições. A primeira é a VERDADE. Você tem absoluta certeza de que o que vai me falar é verdadeiro?”

O camarada respondeu: “Não… Ouvi outra pessoa falar isso sobre seu amigo”.

Sócrates disse: “Então não tenho dever nenhum em te ouvir, já que não tens a veracidade do que vais me falar, mesmo que a pessoa em questão não fosse digna de respeito”.

E continuou Sócrates: “Vou te revelar o segundo filtro para que eu pudesse te ouvir, já que a Verdade seria suficiente para não te escutar. É o filtro da BONDADE. É bom para eu saber o que tens a me dizer sobre meu amigo?”

O homem respondeu: “Não é algo bom, é desagradável”.

Retrucou Sócrates: “Se não é verdadeiro e muito pior, para que me interessaria saber algo que poderia estragar o meu dia, não sendo verdadeiro nem bom? Mas vou te falar sobre o terceiro filtro para que as nossas conversas não sejam vazias e nada construtivas. É o filtro da UTILIDADE. Será para mim e para você algo útil? Vai me servir para aumentar minha sabedoria e crédito sobre meu amigo?”

O homem coçou a cabeça e disse: “Não acho que seja útil nem para mim nem para ti”.

“Pois bem – disse Sócrates – a nossa conversa acaba por aqui, sabendo que o que devemos acumular nesta vida é a sabedoria”.


Como seria bom se todas as nossas conversas passassem por esses filtros! Isso sem falar que falta um filtro preciosíssimo ao nosso caro filósofo Sócrates: o filtro da CARIDADE, ou seja, O AMOR FRATERNO, que nos foi ensinado por Jesus Cristo, o Mestre dos mestres. Seu ensinamento foi simples, mas capaz de mudar o mundo.

Vejamos o que nos diz São João: “”Filhinhos, não amemos só com palavras e de boca, mas com ações e de verdade! Aí está o critério para saber que somos da verdade; e com isto tranquilizaremos na presença dele o nosso coração”” (I João 3,18-19).

Mais do que uma filosofia, o amor é um princípio de vida. Todas as outras práticas – respeito, verdade, bondade e utilidade – têm no amor o seu alicerce principal. Antes de tudo, faltam a nós esses passos do filtro triplo porque nos falta o amor, a compaixão. Ele é uma conquista, exige tempo, suor e muitas vezes lágrimas. É preciso saber perder para ganhar, pois amar muitas vezes é renunciar, é esquecer de si, para que o outro venha pra fora. É aprender a promover o outro, e porque não dizer morrer para que o outro viva.

Isso tudo nos ensinou Jesus. Não um filósofo, mas um Mestre da vida, do comportamento, do respeitohumano, da qualidade de vida, da dignidade da pessoa, porque antes de tudo nos ensinou que o AMOR é a única maneira de mudarmos o mundo a partir das pessoas. Faltam verdade, bondade e utilidade, porque antes de tudo falta-nos o amor, e todas as pessoas são capazes de amar.

Podemos usar o filtro triplo de Sócrates, mas acrescentemos a ele a vida de Jesus, o amor.
Compartilhar:

30 agosto 2018

Controle sua curiosidade


                        Controle sua curiosidade

Tomemos cuidado com essa curiosidade agressiva, que nos leva a indagar, morbidamente, sobre a vida privada dos outros

Vivemos num mundo em que tudo se ventila publicamente. Parece que todos têm o direito de perguntar, seja o que for, da vida das pessoas, e que estas têm o dever de lhes responder; caso contrário, ficarão sob suspeita. Enfia-se o microfone e a câmera de televisão na intimidade dos lares ou dos ambientes profissionais e religiosos sem que lhes tenham aberto as portas. Propõem-se questionários como condição prévia para seguir cursos simples, os quais mais parecem um inquérito policial sobre a vida particular. O mexerico é outro alto-falante, useiro e vezeiro, que espalha em público – entre amigos, parentes ou colegas – o que é de domínio estritamente privado.




Um simples senso de decência nos indica que isso não está certo. E com razão. É um princípio indiscutível da moral que todo homem tem o direito de manter reservados aqueles aspectos da vida, sobretudo da vida privada, que os outros – perguntadores ou não perguntadores – não têm direito nenhum de saber; e tem também o direito de calar-se sobre todas as coisas particulares, cuja divulgação «não serviria em nada ao bem comum; pelo contrário, poderia prejudicar legítimos interesses pessoais, familiares ou de terceiros» 

Justa indignação

É muito justa a indignação provocada pela intromissão inquisitiva de indivíduos e entidades na vida privada (sem excluir dessas entidades o Estado), especialmente a da mídia. Uma indignação que expressava, com palavras francas e límpidas, São Josemaría Escrivá, comentando a curiosidade maligna dos fariseus (cf. Jo 9,13 e segs.), que se recusavam a acreditar na explicação de um cego sobre a cura operada nele por Cristo: “Não custaria nenhum trabalho apontar, em nossa época, casos dessa curiosidade agressiva, que leva a indagar, morbidamente, a vida privada dos outros. Um mínimo senso de justiça exige que, mesmo na investigação de um presumível delito, proceda-se com cautela e moderação, sem tomar por certo o que é apenas uma possibilidade […].

“Perante os mercadores da suspeita, os quais dão a impressão de organizarem um tráfico da intimidade, é preciso defender a dignidade de cada pessoa, seu direito ao silêncio. Costumam estar de acordo, nesta defesa, todos os homens honrados, sejam ou não cristãos, porque está em jogo um valor comum: a legítima decisão de cada qual de ser como é, de não se exibir, de conservar, em justa e pudica reserva, as suas alegrias, as suas penas e dores de família; sobretudo, de praticar o bem sem espetáculo, de ajudar os necessitados por puro amor, sem obrigação de publicar essas tarefas de serviço dos outros e, muito menos, de pôr a descoberto a intimidade da alma perante o olhar indiscreto e oblíquo de gente que nada sabe nem deseja saber da vida interior, a não ser para zombar impiamente. Como é difícil nos vermos livres dessa agressividade xereta! Multiplicaram-se os métodos para não deixar o homem em paz” (É Cristo que passa, n. 69).

É difícil ler essas palavras sem concordar apaixonadamente com elas. Em todo o caso, não nos esqueçamos de que devemos começar aplicando-as a nós mesmos e às nossas curiosidades pessoais. Será que temos a consciência clara de que constitui uma falta moral, um pecado, abrir ou ler cartas alheias, ou agendas, diários íntimos sem a permissão da pessoa interessada? Ou revistar móveis e gavetas? Ou estar ocultamente à escuta, espiar às escondidas por frestas, janelas ou fechaduras? Ou pressionar alguém, atemorizando-o ou ameaçando-o de qualquer forma para nos contar algo que não temos o menor direito de saber? Cada qual deveria fazer aqui o seu exame de consciência.
Compartilhar:

28 agosto 2018

Declare o Reino de Deus em sua família e afaste o mal


       Declare o Reino de Deus em sua família e afaste o mal

               Toda nossa família precisa ser consagrada a Deus, submetida à vontade d’Ele

“Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo” (Mt 6,33). Quando não damos as primícias de nosso tempo para Deus, todas as coisas ficam desencontradas e sem segurança em nossa família.




É isso mesmo que o inimigo de Deus quer, que estejamos desprotegidos, sem o verdadeiro ponto de partida em nosso dia a dia, pois, assim, ele pode ter acesso para roubar, exatamente, o que temos de bom. Ele quer destruir tudo o que é bom em nós, porque o que é bom vem de Deus, e o inimigo quer destruir a criação do Senhor.
O objetivo do inimigo

O objetivo do inimigo é destruir tudo que vem de Deus, porque é invejoso, mentiroso, seduz as pessoas para o mal, a fim de que elas sejam totalmente desviadas do plano do Senhor. O demônio quer fazer com que as pessoas se tornem, cada vez mais, infelizes e desencontradas. Ele quer entrar no coração das pessoas e acabar com a bondade que Deus plantou nelas.

Não podemos achar que o homem é bom sozinho, sem Deus. A bondade vem do Pai, e precisamos cultivá-la, regá-la com a água do Espírito Santo.

Imagine, então, o risco que corremos quando não caminhamos lado a lado com Deus! Toda a nossa família precisa ser, urgentemente, levada para Ele, consagrada a Ele, submetida à Sua vontade. E que possamos dizer: “Eu e minha casa serviremos ao Senhor”.

Precisamos agir antes que satanás invada e roube o que nos é mais precioso e sagrado; antes que ele roube o marido, a esposa, os filhos. Não deixemos que isso aconteça em nossa família, não nos enganemos nem percamos tempo.

Somos pessoas boas, mas isso não nos basta. Precisamos ser de Deus para valer, pois somente perseverando n’Ele a bondade pode permanecer em nós.

Imagem e semelhança de Deus

O inimigo quer destruir o que, naturalmente, Deus construiu em nós; ele quer destruir a imagem e semelhança de Deus que somos.

O diabo quer roubar nossos valores e os tesouros que o Senhor nos deu. O inimigo faz de tudo para roubar nossa felicidade, destruir a união entre os casais, o amor nas famílias, os relacionamento entre pais e filhos.

Por isso rezem, rezem, não percam a força e a vontade de rezar. Não se deixem vencer. Comecem rezando o terço todos os dias; depois, reze mais de um terço, busque a Eucaristia, a Palavra de Deus, e expulse satanás da sua casa e do seu casamento.

Com Deus somos mais que vencedores! Ele é maior e tem o poder de nos libertar das ciladas do malvado. Ele pode restituir o casamento, refazer o lar, devolver o amor! Lute, reaja em orações e tome posso do que é seu.
Consagre sua família a Deus

O demônio tem entrado com tudo, roubando, destruindo, fazendo as esposas sofrerem, fazendo as crianças, os filhos sofrerem. No entanto, ele só faz isso com quem dorme no ponto, com quem leva a vida no mais ou menos com Deus, com quem não tem verdadeiro compromisso com o Senhor.

Consagre sua vida e sua família a Jesus, ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Nossa Senhora.

Pais, mães, noivos, namorados, coloquem os seus pés no chão, acordem para a vida e busquem, urgentemente, uma vida de oração.

Invistam nas coisas de Deus, coloquem-nO em primeiro lugar, porque não basta vocês serem pessoas de posses, com títulos e diplomas nas mãos; antes, é preciso ser de Deus!
Compartilhar:

26 agosto 2018

Adultério virtual: quando a internet se torna um perigo no relacionamento



Adultério virtual: quando a internet se torna um perigo no relacionamento 

A internet tornou-se uma ferramenta fácil para proliferar o sexo virtual e o adultério de coração


Adultério significa infidelidade conjugal. Quando dois parceiros, dos quais ao menos um é casado, estabelecem entre si uma relação sexual, mesmo efêmera, cometem adultério. O sexto mandamento e o Novo Testamento proíbem absolutamente o adultério. Os profetas denunciam sua gravidade. Veem no adultério a figura do pecado de idolatria.
O Catecismo da Igreja ensina


“O adultério é uma injustiça. Quem o comete falta com seus compromissos. Fere o sinal da aliança, que é o vínculo matrimonial; lesa o direito do outro cônjuge e prejudica a instituição do casamento, violando o contrato que o fundamenta. Compromete o bem da geração humana e dos filhos, que têm necessidade da união estável dos pais. (n. 2381).





No Sermão da Montanha, Jesus deixou claro que o adultério cometido por uma pessoa não é somente a realização de um ato sexual com outra pessoa, que não é seu cônjuge. É mais do que isso. Ele condena o adultério de desejo: “Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo: todo aquele que olha para uma mulher com desejo libidinoso já cometeu adultério com ela em seu coração” (Mt 5,27).

A gravidade desse ato está no utilitarismo sexual, que resulta no hedonismo e no pecado da concupiscência, que transforma a outra pessoa num objeto de prazer. O adultério de desejo revela um fato no interior da pessoa, ou seja, é desejá-la não como o fim de suas intenções, mas como meio. O adultério no coração acontece, porque a pessoa decidiu interiormente utilizar o outro para sua satisfação egoísta.

Avanço tecnológico

A internet tornou-se uma ferramenta fácil para proliferar o sexo virtual e o adultério de coração. Isso começou pelo uso do telefone há bastante tempo; algumas agências até se especializaram em oferecer esse tipo de atividade com moças e rapazes de programa, contratados para isso. Foram os famosos “teles”: telefantasia, tele-erótico, telessexy, telegay… Enfim, telepecado.

A internet superou tudo isso! Primeiro, por causa da privacidade, comodidade e forma anônima com que oferece a fantasia; segundo, porque quase sempre é “gratuita”. A luxúria está globalizada pela internet. Explora-se comercialmente aquilo que é imoral, que atenta contra a dignidade do ser humano, transformando-o em um meio de prazer e lucro.
Assista:

Tenho recebido e-mails de esposas que se desesperam quando pegam seus maridos vendo sites pornográficos. A tentação é enorme e a facilidade é muito grande. Outros se enveredam pelos “chats” variados e acabam se complicando. Uma forma de adultério virtual é o que acontece com a pornografia oferecida pela internet. Quem busca uma satisfação sexual pela pornografia virtual está cometendo o pecado de adultério de coração, como explicou Jesus.

A atividade sexual virtual pela internet pode se transformar em vício; e o pior de tudo é que, muitas vezes, leva ao pecado da masturbação, fornicação, adultério ou mesmo uma vivência sexual pervertida com o cônjuge. Os “chats” se transformaram, para muitos, em um meio de viver um adultério virtual, “seguro” e barato.
O Catecismo da Igreja Católica é bem claro ao afirmar:

“A pornografia (…) ofende a castidade, porque desfigura o ato conjugal, doação íntima dos esposos entre si. Atenta gravemente contra a dignidade daqueles que a praticam (atores, comerciantes e público), porque cada um se torna para o outro objeto de um prazer rudimentar e de um proveito ilícito. Mergulha uns e outros na ilusão de um modo artificial. É uma falta grave. As autoridades civis devem impedir a produção e a distribuição de materiais pornográficos” (CIC § 2354).

O que leva um homem ou uma mulher a buscar o adultério de coração pela internet?

Uma das razões pode ser a carência no relacionamento com o cônjuge, a falta de uma harmonia conjugal e, principalmente sexual. Numa situação dessa, se a pessoa não tem uma vida espiritual forte e permanente, facilmente pode enveredar pelo adultério virtual, pela pornografia e sites de conversas.

Jesus deixou-nos a receita básica para vencer qualquer pecado, também o adultério virtual: vigiai e orai. Estar sempre em estado de oração, com a alma sempre ligada a Deus, sempre suplicando ao Senhor o auxílio de Sua graça para não cair na tentação. “Não nos deixeis cair em tentação…”. “Mosca só assenta em prato frio”; então, não deixe sua alma esfriar pela falta de oração, comunhão, meditação da Palavra, oração do terço etc.

Em segundo lugar, é preciso vigiar. Fugir das ocasiões de pecado é uma fuga heroica. Se você não se controla diante da internet e do sexo virtual, então deixe de acessar a internet em seu computador ou celular, enquanto não aprender a se dominar. Ou, então, diante do computador, reze e prometa a Deus não acessar um site de pornografia ou de relacionamento perigoso por amor a Jesus, que, para salvá-lo, morreu na cruz. Só por amor a Deus podemos deixar de vez o pecado, nunca por medo d’Ele. Escreva sob a tela do monitor do seu computador: “Eu não vou pecar hoje, por amor a Jesus, pois Ele merece isso”.
E se eu cair?

Levante-se imediatamente. Não fique nem um minuto na lama do pecado. Peça perdão a Deus e prometa confessar-se tão logo seja possível. Sim, é importante a confissão, para que a graça divina lhe dê o perdão e a força para não voltar ao pecado de adultério virtual. O cristão tem que viver a castidade, porque é lei de Deus; e isso só será possível se fechar as janelas da alma (olhos, ouvidos, boca, nariz e mãos) para tudo o que o excita e traz o pecado para seu interior. Com a graça de Deus e a força de vontade, isso é possível.
Compartilhar:

24 agosto 2018

Estamos em guerra: casamentos descartáveis e famílias em segundo plano


Estamos em guerra: casamentos descartáveis e famílias em segundo plano

                                                    Estamos em guerra

Parece meio lógico esse tema, não é? Mas de que guerra estamos falando aqui? Seria a da Síria? A guerra que não cessa na Terra Santa? As guerras urbanas que enfrentamos no nosso dia a dia? Não! De jeito nenhum! Essas guerras, todos já conhecemos. As que não conhecemos podemos assistir em um telejornal, pesquisar na internet ou até mesmo numa conversa informal com os amigos.

Estou falando da guerra que as famílias estão enfrentando, dos casamentos descartáveis, onde qualquer obstáculo, por menor que seja, já é suficiente para desistir. E daí se fizemos votos? E daí se tivemos filhos? Hoje em dia, são tantos filhos de casais divorciados, que isso não surpreende ninguém nem faz diferença.


Adversário errado

Há algum tempo, assisti a um filme chamado ‘Quarto de Guerra’. Embora meu casamento não estivesse em crise, aquilo mexeu muito comigo, pois mostrava que, muitas vezes, lutamos contra o adversário errado. O demônio é o grande inimigo, é ele quem quer acabar com os casamentos, fazer você pensar que não vale a pena, que é só recomeçar e pronto.

Muitos dizem que o mundo está perdido, e, às vezes, eu também penso isso. Se for verdade mesmo, então, o que resta ao inimigo? Acabar com as famílias! E esta, quando se fere, machuca a base e todo o resto desmorona. Uma nação jamais poderá subsistir se a célula mater da sociedade estiver ferida.
Contra quem estou lutando?

Bom, voltando ao filme, fiz uma boa reflexão sobre meu matrimônio, sobre os passos que poderia dar para que as brechas fossem fechadas no meu relacionamento com meu esposo e com meus filhos, para que o inimigo não tivesse vez dentro da minha casa. Fiz até mesmo como no filme e criei meu “canto de guerra”, coloquei várias fotos da minha família, das várias etapas que vivemos, Palavras que o Senhor me deu em momentos de oração, cartinhas do meu filho mais velho. E assim toda manhã eu acordo e, ao me arrumar, vou vendo para que estou vivendo, para Quem estou vivendo e contra quem estou lutando. Se você não assistiu ao filme, vale a pena. Prepare o lencinho e abra seu coração.

Se você ainda é solteiro, já vai se entregando ao Senhor, para que a vontade d’Ele prevaleça em sua vida. Mais do que o seu desejo, que o sonho de Deus seja o seu sonho. Agora, se você já está casado, não ignore os sinais de destruição que o inimigo vai lançando sobre seu lar. Às vezes, ele atinge direto na relação do casal, seja o desgaste do tempo, a falta de diálogo, desemprego, traições, vícios, a falta de sintonia na hora de educar as crianças entre outros. Porém, quando ele não consegue atingir o casal, vai direto nos filhos, na maneira como os educamos ou deseducamos quando eles são pequenos; quando eles crescem, as crises e modinhas (autodestrutivas), próprias da adolescência. E quando ficam ainda mais velhos, com quem estão se relacionando, como estão vivendo… Enfim, uma preocupação sem fim!
Casamentos nulos

Quero fazer uma ressalva: é claro que existem casamentos que são nulos, ou seja, nunca deveriam ter acontecido, mas, por algum motivo, aconteceram e foram se tornando uma grande tragédia. Sendo assim, o divórcio e a nulidade são o caminho a ser tomado. Não podemos, no entanto, perder o foco, pois é o demônio nosso verdadeiro inimigo, é contra ele que lutamos e precisamos estar preparados.


Lute a sua guerra!

Lembro-me de uma música que ouvia na minha adolescência, durante as Missas de cura e libertação, quando ainda não era da Comunidade Canção Nova, mas já a frequentava assiduamente. Uma música extremamente forte, que, com certeza, tinha poder e unção, pois era impossível não sentir a força de Deus quando a cantávamos. Ela dizia assim: “Levanta-Te. Levanta-Te, Senhor. Que fujam diante de Ti Teus inimigos, se dispersem diante de Ti todos aqueles que aborrecem Tua presença. Tua presença reinará sobre todo império, Tua presença reinará e governará sobre todos os principados”.

Penso que esse já seja um bom começo para você juntar forças e começar a lutar a sua guerra. Pegue sua cruz, sua família e lute! Ore, ore sem cessar. Os tempos são difíceis, mas não impossíveis de vencer, pois temos o Cristo ao nosso lado e Ele já venceu a maior das batalhas. Sua família é responsabilidade sua, Deus a confiou a você. Então, você precisa estar preparado para a batalha. Ore, jejue e confie.
Compartilhar:

22 agosto 2018

Como conviver com os defeitos do outro no casamento?


     Como conviver com os defeitos do outro no casamento?


            O casamento é uma missão que exige maturidade, amor e dedicação sem fim

Para responder essa pergunta, é necessário entender bem o sentido profundo do casamento. A união do homem com a mulher, no matrimônio, tem dupla finalidade: o bem do casal e a geração e educação dos filhos. Deus mandou ao casal: “crescei e multiplicai” (Gen 1,26).

Essa dupla atividade exige muito esforço, luta e graça de Deus. A beleza do matrimônio está justamente em “fazer o outro crescer”, gerar e educar os filhos de Deus, os quais, um dia, vão habitar o céu. No céu, não haverá mais casamento nem nascerão mais crianças. Essa bela missão Deus confiou aos homens e mulheres nesta vida. Portanto, a grandeza sublime dessa dupla missão é que deve levar o casal a compreender sua imensa responsabilidade, tanto um em relação ao outro quanto em relação aos filhos. É isso que deve estar subjacente a todo sacrifício que a vida conjugal exige. É uma missão que exige disposição, maturidade, amor e dedicação sem fim.




Missão do casamento

O casamento não é uma curtição a dois, é uma missão. Não é uma vida só de prazeres e alegrias, mas também de luta, abnegação, renúncias e sacrifícios.

A base do matrimônio é o amor, o dar a vida pelos outros, o esquecer-se de si mesmo para fazer o cônjuge e os filhos crescerem em tudo que é bom. São Paulo compara o amor do casal ao amor de Cristo pela Igreja, que por amor se imolou por ela.

“Maridos, amai as vossas esposas como Cristo amou a Igreja, e se entregou por ela” (Ef 5,25).

O que o apóstolo diz para os maridos vale também para as esposas. O amor de um pelo outro deve ser o mesmo amor de Cristo, que o levou a dar a vida até o fim pela Igreja. São João diz: “Tendo amado os seus, amou-os até o fim” (João 13,1).

Jesus disse que ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida pelo outro. Dar a vida significa gastar-se pelo bem do outro, aceitar-se consumir como um vela que queima para iluminar e aquecer.
Compreendendo um ao outro

Todos os maridos e esposas têm seus defeitos e pecados; por isso, todos têm a necessidade e o direito de serem amados e perdoados. Antes de tudo, para conviver com os defeitos do cônjuge, é necessário aceitá-lo na sua realidade. Nós não fabricamos uma pessoa, nós nos casamos com ela como ela é, com suas qualidades e defeitos, virtudes e pecados.

A primeira grande missão do casal é um fazer o outro crescer com a sua dedicação. São Paulo ensina o verdadeiro amor: “O amor é paciente, o amor é bondoso, não tem inveja nem é orgulhoso. Não é arrogante nem escandaloso. Não busca seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acabará” (1 Cor 13,4-8).

Para suportar os defeitos do outro, acima de tudo, é preciso a paciência que tudo vence. Isso não quer dizer que se aceite ser maltratado nem tolerar agressões físicas ou permitir que nos tratem como objetos, mas saber aceitar o outro também quando age de um modo diferente de mim. Não podemos nos colocar no centro nem querer que se faça somente a nossa vontade. É isso que faz as pessoas impacientes, a reagirem com agressividade, reclamação, lamúrias etc.
A sabedoria no relacionamento

Santo Agostinho ensinava que, para alcançarmos Deus, temos de suportar aquele com quem vivemos. Ele dizia que “não há lugar para a sabedoria onde não há paciência”.

Papa Francisco disse que “amar é ser amável. O amor não age rudemente, não atua de forma inconveniente, não se mostra duro no trato. Seus modos, suas palavras e seus gestos são agradáveis; não são ásperos nem rígidos. Detesta fazer sofrer os outros”.

Os terapeutas conjugais recomendam nunca gritar um com o outro; não jogar no rosto do outro os erros do passado; nunca dormir brigados; não ser displicente, sem atenção com o outro; trocar as discussões por bons diálogos e, quando tiver de chamar a atenção do outro, fazer com amor, na hora certa, na privacidade, sempre lembrar de elogiá-lo.

Temos de ter compreensão com os defeitos do outro, porque nós também temos os nossos; e quem quer ser compreendido deve também saber compreender e tolerar os erros dele. Jesus manda que tiremos, antes, o cisco do nosso próprio olho, antes de tirar do olho do outro. Se tivermos de lutar contra o erro do outro, então, é preciso fazer com sabedoria e amor, sem violência. São Francisco de Sales, doutor da Igreja, dizia que “o que não puder ser mudado por amor não deve ser tentado de outro jeito, porque não vai dar certo”.
Aprenda a perdoar

Lembre-se de que se perde a caridade quando se perde a paciência. Deus disse a Santa Catarina de Sena: “A virtude da paciência é o sinal externo de que Eu estou numa alma e ela em Mim”.

Para conviver com os defeitos do outro, é preciso também não deixar que o ressentimento se aninhe no coração, mas saber perdoar com uma atitude positiva, buscando compreender a fraqueza alheia.

Não há dúvida de que a boa convivência só pode ser conservada e aperfeiçoada com grande espírito de sacrifício. Isso exige de cada um generosa disponibilidade à compreensão, à tolerância, ao perdão e reconciliação. É claro que, para podermos agir assim, precisamos da graça de Deus. Jesus disse “Sem Mim nada podeis fazer!” (João 15,5). É preciso lembrar sempre disso, e sempre buscar o auxílio da graça de Deus na oração, na meditação da Palavra de Deus, na Eucaristia etc.

São Paulo disse que o “amor tudo desculpa”. Isso exige não fazer um juízo apressado sobre o outro e conter a tendência de condenar de maneira dura e implacável: “Não condeneis e não sereis condenados” (Lc 6,37).

São Paulo também diz que “o amor tudo suporta”. Isso significa uma resistência dinâmica e constante, capaz de superar qualquer desafio. Evidentemente, para isso é preciso o dom precioso da fortaleza, dada pelo Espírito Santo. Muitas vezes, um cônjuge, para salvar outro, precisa dessa força sobrenatural; para muitos, é uma cruz que se carrega pela salvação do outro. E a graça do sacramento do matrimônio supre essa necessidade.
A arte do silêncio

Muitas vezes, é o silêncio de um que acalma o coração do outro. Outras vezes, será por um abraço carinhoso ou por uma palavra amiga.

Todos nós temos a necessidade de um “bode expiatório” quando algo adverso nos ocorre. Quase, inconscientemente, queremos “pegar alguém para Cristo”, a fim de desabafar nossas mágoas e tensões. Isso é um mecanismo de compensação psicológica que age em todos nós nas horas amargas, mas é um grande perigo na vida conjugal. Quantas e quantas vezes acabam “pagando o pato” as pessoas que nada têm a ver com o problema que nos afetou! Algumas vezes, são os filhos que apanham do pai, que chega em casa nervoso e cansado; outras vezes, é a esposa ou o marido que recebe do outro uma enxurrada de lamentações, reclamações e ofensas, sem quase nada ter a ver com o problema em si.

Temos de nos vigiar e policiar nessas horas, para não permitirmos que o sangue quente nas veias gere uma série de injustiças com os outros. Temos de tomar redobrada atenção com o cônjuge, para que ele não sofra as consequências de nossos desatinos.

No serviço e fora de casa, respeitamos as pessoas, o chefe, a secretária etc., mas, em casa, onde somos “familiares”, o desrespeito acaba acontecendo. Exatamente onde estão os nossos entes mais queridos, no lar, é ali que, injustamente, descarregamos as paixões e o nervosismo. É preciso toda a atenção e vigilância para que isso não aconteça.
Compartilhar:

20 agosto 2018

O casamento não é uma "missão impossível"



           O casamento não é uma "missão impossível" 

De fato, o casamento pode se tornar uma “missão impossível” se o casal rejeitar os auxílios da graça de Deus

“Não é bom que o homem esteja só. Vou fazer uma auxiliar que lhe corresponda” (Gen 2,18). A mulher que Deus “modelou” da costela do homem e que levou a ele, arrancou dele um grito de admiração, uma exclamação de amor: “É osso de meus ossos e carne de minha carne” (Gn 2,23).




Deus criou o casal humano para uma “comunhão de pessoas” no matrimônio e os uniu de modo que, formando “uma só carne” (Gn 2,24), possam transmitir a vida humana: “Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra” (Gn 1,28). O homem e a mulher, como esposos e pais, cooperam de forma única na obra do Criador. Aí está toda a beleza que Deus quis para o casal humano; fez dele a fonte do amor e a “nascente da vida”. Cristo elevou o casamento entre os batizados à dignidade de sacramento.
Mulher à imagem e semelhança de Deus

A sagrada Escritura abre-se com a criação do homem e da mulher à imagem e semelhança de Deus e fecha-se com a visão das “núpcias do Cordeiro” (cf. Ap 19,7). Toda a Sagrada Escritura fala do casamento e de seu “mistério”, de sua instituição e do sentido que lhe foi dado por Deus, de suas dificuldades provenientes do pecado e da sua renovação “no Senhor” (1Cor 7,39).

Deus é o autor do matrimônio; o casamento não é uma instituição simplesmente humana. “Por isso, um homem deixa seu pai e sua mãe, une-se à sua mulher e eles se tornam uma só carne” (Gn 2,24).

O pecado instaurou a desordem também no casamento. Tendo sido uma ruptura com Deus, a primeira consequência foi a quebra da comunhão original do homem e da mulher. Para curar as feridas do pecado, o homem e a mulher precisam agora da ajuda da graça que Deus, que, em sua misericórdia infinita, não nos recusa. Sem essa ajuda, homem e a mulher não podem chegar a realizar a união de suas vidas para a qual foram criados “no princípio”. Sem Cristo, o casamento não perdura. Por isso Ele o transformou em sacramento. Um casal sem Deus é um casal fraco.


De fato, o casamento pode se tornar uma “missão impossível” se o casal rejeitar os auxílios da graça de Deus; pois o pecado os vencerá. Para ser uma missão bela e saudável, o casal precisa fazer do seu lar um “espaço de Deus”. Então, o casamento, mesmo após advento do pecado, torna-se uma “escola de amor” onde se aprende a vencer a centralização em si mesmo, o egoísmo, a busca do próprio prazer, e a abrir-se ao outro, à ajuda mútua, ao dom de si.

O casamento é uma realidade boa

Não foi sem razão que Jesus começou sua vida pública realizando seu primeiro milagre, a pedido de Sua Mãe, por ocasião de uma festa de casamento. É a confirmação de que o casamento é uma realidade boa e um sinal eficaz da presença de Cristo.

Jesus veio para restabelecer a ordem inicial da criação perturbada pelo pecado; então, é Ele mesmo quem dá ao casal a força e a graça para viver o casamento na nova dimensão do Reino de Deus. Seguindo Cristo, renunciando a si mesmo e tomando cada um sua cruz, os esposos poderão “compreender” o sentido original do casamento e vivê-lo com a ajuda de Cristo.

São Paulo mostra que a união de Cristo com a Igreja é uma aliança matrimonial: “E vós, maridos, amai vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, a fim de purificá-la… É grande este mistério: refiro-me à relação entre Cristo e sua Igreja” (Ef 5,24-32). O Matrimônio cristão é um sinal eficaz da aliança de Cristo e da Igreja.

O casal cristão, diante de Deus que os uniu para sempre, para serem esposos, pais e mães, precisam se esmerar no cuidado do casamento. Que jamais haja infidelidades conjugais, nem por pensamentos, palavras ou atos. A infidelidade é a morte do casamento. O casal não pode ser inocente quando se arrisca em aventuras com outras pessoas; a infidelidade começa muitas vezes com uma relação inocente que termina na infidelidade conjugal.

Dicas para viver bem:


– O casal precisa investir um no outro e no lar. Os matrimônios fortes se constroem passando tempo juntos; faça do tempo de convivência juntos uma prioridade, juntamente com os filhos.

– Não fique ressaltando as falhas de seu cônjuge e fazendo reprovações, isso faz com que outras pessoas te pareçam mais atraentes. Valorize mais as qualidades do outro e diminua as críticas. Não faça comparações com outros casais. Com as outras pessoas você não está vivendo um mundo real; é sonho.

– Quando houver necessidade, busquem ajuda. Isso não é um sinal de fraqueza. Um terapeuta familiar cristão ou um bom conselheiro, ajudam a pensar, a buscar soluções.

– Mantenha um lar alegre, com bom humor; elimine a reclamação e a lamúria. Alegria e bom humor são terapia. Saiba dar um sorriso mesmo nas horas amargas. E não esconda seus sentimentos; porque reprimi-los fazem mal e geram brigas. Seja transparente com o outro para ganhar a sua confiança.

– Cuide da vida sexual, mais do que a união de dois corpos é a união de duas almas que se amam e que se compromissaram uma com a outra por toda a vida. Cuidem bem um do outro, com todo amor, carinho, respeito, bondade, paciência, tolerância, maturidade e responsabilidade. Tudo isso faz o casal cumprir essa bela missão que Deus lhes deu de constituir uma família feliz. Eu pude viver quarenta anos essa realidade e posso dizer que é uma das melhores realizações desta vida. Nós amamos e nos realizamos com aquilo que construímos com nossa dedicação e amor.

Já foi dito que “quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado com certeza chegará mais longe…” A paciência pode ser amarga, mas seus frutos são doces.
Compartilhar:

18 agosto 2018

Oração pelo casamento que está passando por problemas



     Oração pelo casamento que está passando por problemas

               Encontre na oração sentido e força para superar os problemas no casamento


Deus de amor, Pai querido, meu matrimônio está passando por um grande conflito, que parece interminável; e quando penso que essa fase está acabando, começa tudo de novo.





Há dias em que as nossas conversas são como alfinetes, como espinhos na carne: tudo parece acusação e ofensa.


Todas as coisas tornam-se desconfianças, tudo que dizemos transforma-se em agressões verbais; tudo é motivo para retomar fatos e erros passados, e só vemos os defeitos um do outro.


Há momentos em que me pergunto se meu casamento vai sobreviver aos desafios que estou vivendo. Se o matrimônio é um pacto divino, por que é tão difícil evitar que a santidade do amor seja contaminada pela suspeita? Se nos comprometemos um com o outro no altar do Senhor, se prometemos amar um ao outro, na alegria, na saúde e na doença, todos os dias de nossas vidas, como, de repente, nosso relacionamento se transformou em brigas e indiferença?


Ajuda-me, Senhor, a me lembrar de quando nos conhecemos, das maravilhosas qualidades que vimos um no outro, dos dons, carinhos e sonhos de um futuro de amor e amizade, da relação fundamentada no respeito, do passo a passo da construção de uma família maravilhosa, de todos os sonhos que sonhamos juntos, de sermos amparo um para o outro, da época em que não brigávamos nem discutíamos, de quando não nos ofendíamos mutuamente. Sei que é importante lembrar sempre dos momentos alegres e felizes que vivemos a cada dia, por isso vem, Senhor, reacender em meu coração essas memórias, a chama de amor que nos mantém vivos e unidos, dá-nos essa graça.


Ajuda-me, Senhor, a superar as dificuldades da convivência diária e a lembrar que fizemos a opção de partilhar a vida juntos, até que a morte nos separe. Ajuda-me a fazer a minha parte para honrar e manter meus votos.


Sei que muitos problemas poderiam ser resolvidos sem mágoa, sejam financeiros – problemas de gastar demais ou economizar demais, deixar as contas atrasarem, comprar sem necessidade – ou afetivos – a cobrança exagerada de atenção e demonstração de afetos, a implicância com defeitos comuns, a indiferença, a desvalorização do outro, a priorização do trabalho ou de bens materiais. Tudo se torna motivo de raiva quando nos esquecemos de que estamos unidos no amor de Deus. Liberta-me, Senhor, desses males!


Que eu me disponha a deixar passar os pequenos desentendimentos, que nada significam se comparados com as grandes bênçãos partilhadas em nosso relacionamento.


Ensina-me a confiar no meu cônjuge e em Deus nos momentos mais difíceis e amar nos momentos de desacordo; a silenciar diante das ofensas verbais e críticas; a acreditar; a resignar-me diante de um olhar de acusação; a compreender o outro diante das ameaças de abandono, de separação; a lutar pelo casamento quando o outro diz que não há mais amor, porque em Deus o amor jamais acaba.


Dá-me a coragem e serenidade para enfrentar as situações e sabedoria para buscar soluções. Dá-me a graça de saber perdoar, e que todo o ressentimento seja lavado de minha alma pelo Teu sangue redentor.


Hoje, descobri que o casamento perfeito não existe e quero aprender a lidar com as imperfeições a partir de agora. Quero viver cada momento do meu matrimônio de forma plena, sabendo que o relacionamento precisa sempre de um estímulo e de um esforço para vermos mais as qualidades do outro do que seus defeitos. Nós nos casamos para nos apoiarmos um ao outro e para juntos superarmos as dificuldades que sozinhos não éramos capazes de enfrentar.


Obrigado, Senhor, por me lembar de tudo isso, pois quero buscar minha reconciliação, colocar docilidade e respeito no relacionamento, pois o amor só sabe amar. O que estávamos vivendo era apenas uma afetividade, uma relação, um coleguismo, e não o relacionamento matrimonial que nos comprometemos a ter diante de todos, no altar.


Peço, Jesus, que arranque de minha alma as lembranças dolorosas, que coloque Teus anjos em minha casa e expulse daqui todo mal, toda desconfiança, toda agressividade e mal-entendimento, toda e qualquer força maligna. Se alguém desejou algum mal para nós, para destruir nosso casamento, seja por inveja, seja por magia negra, feitiço ou de qualquer outra forma, entrego-o em Tuas mãos, e que essas pessoas sejam por Ti abençoadas, assim como eu quero que seja o meu lar.


Que tenham a graça do Senhor em todos os lares. Amém!
Compartilhar:

16 agosto 2018

O casamento pode salvar o cônjuge do sentimento de solidão?


 O casamento pode salvar o cônjuge do sentimento de solidão?

                 Em condições de estado de graça a sensação de solidão irá desaparecer

Hoje em dia, somos incentivados pela cultura e também pelos meios de comunicação que, para estarmos bem, precisamos fazer parte de alguma coisa ou de um grupo. Como se fosse um “sentimento de pertença” mas, por vezes, estamos com um grande sentimento de solidão.

As pessoas procuram aquelas que pensam mais ou menos igual, que tenham gostos e ideias semelhantes. Isso vai se tornando tão latente que, chegamos ao extremo de: se não fizer parte de algo corre-se o risco de se sentir estranho, errado.




Senso comum

Algo semelhante se passa com o senso comum: já que tem um monte de gente que pensa igual, talvez seja porque aquilo é daquele jeito mesmo. Desse modo, por conta da quantidade de pessoas que aderiram a uma determinada ideia, nossa crítica começa a correr riscos de passividade, aceitando qualquer bobagem que é apresentada a nós. Essas coisas se irradiam de tal forma e nos levam a achar que, realmente, há algo de errado conosco. E se não nos adequamos, nos sentimos só. Tendemos a fugir desse tipo de solidão desesperadamente. Será que isso tem de ser assim mesmo?

Pertencendo a um grupo ou escolhendo muito bem as amizades, quem aqui nunca passou pela experiência de não ter sido compreendido? Preciso te dizer que não tem jeito, se você não passou por isso ainda (o que acho meio difícil) você vai passar e, não serão poucas vezes na vida.

Cada um de nós é irrepetível! E nem mesmo entre gêmeos pode-se dizer que são iguais. Como seria possível não se sentir só? Uma vez que, você é único!

Mesmo que alguém passe pelos mesmos problemas que você, tenha tido uma criação semelhante ou até tenha os pensamentos muito iguais; de qualquer jeito vivemos mil e uma situações diferentes, que nos ensinaram determinadas coisas e, cada um de nós, as absorveram e as compreenderam de uma determinada maneira.

Não tem jeito de se sentir igual ou compreendido. Ninguém viveu ou vive em você e como você. Uma hora ou outra isso vai ser latente!

A solidão faz parte da nossa existência

Fugir da solidão seria igual a tentar fazer um buraco n’água e, como não tem jeito de conseguir isso, surgem os sentimentos de frustração consigo mesmo e com a vida.

Será que não tem gente depressiva por conta disso?

Chegamos então, ao casamento. Imagino que depois das explicações dadas, fica claro que: o casamento não preenche esse vazio, não tampa esse buraco.

Apesar de haver uma complementaridade muito profunda entre um homem e uma mulher, algo feito por Deus, nós temos muito mais diferenças do que semelhanças. Aliás, é por isso que nos completamos uns aos outros, por sermos de sexo opostos.

Mesmo com a presença do amor dentro do casamento, essa ”experiência de amor” é muito diferente do que em outro estado civil. É um ensaio, uma pequena amostra do que deve ser o amor de Deus por nós. Bem, na verdade, o casamento serve para isso mesmo: nele precisamos aprender a amar assim como Jesus nos ama.

É o famoso “dar a vida”. Ali devemos aprender a amarmos e sermos amados. Entretanto, ainda que isso esteja fluindo as mil maravilhas, não deixa de ser somente um ensaio pra algo maior.
Aspirações mais profundas do coração

Pense um pouco mais: quem foi o único que lhe acompanhou durante cada instante da sua vida, observou seus passos, as coisas que você sentiu, as decisões que você tomou, das coisas que você fugiu e daquelas que se interessou?

Esse Alguém é o único que sabe de tudo e é capaz de lhe ajudar. Esse será o Único que pode resolver esse “problema” da solidão. No entanto, estar a sós com Ele, é a coisa mais rica e preenchedora das aspirações mais profundas do nosso coração. A solidão passa a ser uma riqueza, ela vem nos ensinar a ir ao encontro com a pessoa certa.

Mas, como fazer para sentir-se acompanhado e preenchido por Deus?

Nosso Senhor nunca esteve longe de ninguém. Nunca! Somos nós que nos tornamos surdos e insensíveis à Sua Presença, à Sua Voz. Nossa primeira atitude deve ser a de viver sempre na graça de Deus, ou seja, após se confessar com um padre, buscar não cometer mais nenhum pecado grave. Isso é inteiramente possível a qualquer pessoa.

Procure conhecer mais sobre o pecado e suas consequências. A Igreja Católica, nossa Mãe e Mestra, tem muito a nos ensinar sobre isso.
Estado de graça

Com o tempo, nessas condições de estado de graça, você começa a perceber essa presença constante na sua própria vida, principalmente, a partir do momento em que, se contempla e comunga a Sagrada Eucaristia, então, essa sensação de solidão vai desaparecer. Na verdade, ela terá sido bendita, pois foi o provocador da busca de Deus.

Ainda que você se torne diferente dos demais, que pareça que ninguém lhe entende e que ninguém busca o mesmo que você; mesmo que não veja ninguém concordando com o caminho que você está trilhando, essa “solidão” se tornará querida, canal do amor daqu’Ele, o Único capaz de lhe preencher.

Se você quiser, Nosso Deus pode lhe dar os amigos de que você precisa, o casamento perfeitamente harmonioso. Contudo, eles não serão mais a fonte da sua procura por plenitude.
Compartilhar:

14 agosto 2018

Por que buscar o isolamento nem sempre é algo ruim?


       Por que buscar o isolamento nem sempre é algo ruim?

                           O isolamento pode ser bom, mas quando ele se torna perigoso?


Buscar a solidão, o isolamento de outras pessoas nem sempre é ruim. O próprio Jesus tinha o hábito de isolar-se e ficar a sós com Deus depois de um dia de trabalho em meio às multidões. Nessas ocasiões, Ele orava e renovava suas forças.

Existe, no entanto, uma solidão que nos faz mal. É aquela em que as pessoas podem viver numa mesma casa com muitas outras e, ainda assim, vivem isoladas delas. Esse tipo de isolamento acontece mesmo entre pessoas tão íntimas como marido e mulher. Que triste!




Sentimentos que rondam a solidão

O “isolar-se” gera ansiedade, tristeza, depressão, angústia e, em casos extremos, o sentimento de morte. O “isolar-se” corta o diálogo tão necessário na família, faz com que a pessoa se deixe levar pelos pensamentos, que nem sempre são verdadeiros e podem gerar confusão, desorientação. Nesse caso, não é uma busca de Deus, mas uma fuga dos problemas, daquilo que é preciso enfrentar.

A Palavra de Deus diz: “Quem se isola, busca seus próprios interesses” (Pv 18,1).

Neste mundo cheio de problemas, por causa de toda pressão, somos tentados ao isolamento, a nos colocarmos dentro da casca. Se você vive problemas, e a tentação o incita a desistir, a deixar tudo para trás e isolar-se, sinto muito! Você está num caminho torto. Mas, se você vive problemas, a tentação é desistir, isolar-se, mas, mesmo assim, você dá a volta por cima, busca os amigos, o sacerdote, busca orientação na Palavra de Deus, no conselho de alguém, na oração; aí sim, você está no caminho reto.
Abra-se para Deus

Deus abre várias portas para você: Eucaristia, confissão, comunidade e meios de comunicação católicos. Veja quantas formas de Deus falar, e perceba quantas opções você tem para buscar ajuda.

Deus abençoe você! Que Maria passe à frente, resolvendo as situações que hoje você não consegue resolver!
Compartilhar:

12 agosto 2018

Qual a solução para solidão?


                      Qual a solução para solidão?

A solução, tão difícil nesta época de egoísmo e individualismo, é simplesmente um pouco mais de solidariedade

Solidão é passear pela praia ou pela calçada sem companhia, é assistir a uma partida de futebol, é ouvir uma rádio horas e horas a fio ou será que solidão é morar sozinho? Segundo o dicionário, solidão é o “estado do que se encontra ou vive só, é isolamento”.

O solitário sempre existiu, ele pode estar em qualquer lugar: sentado vendo o horizonte, andando numa rua movimentada, trabalhando em um escritório ou no trânsito barulhento. A solidão sempre é destacada na literatura e na música.




Para se livrar deste sentimento, tem gente que põe anúncio no jornal, outros enfrentam a noite ou até conversam com cachorros. A maioria acha uma desculpa: solidão é um mal da cidade grande, o jeito é conviver com ela. Alguns preferem estar “sozinhos do que mal acompanhados”, como diz a expressão popular, o importante é se sentir bem. Aí começa a aparecer o espírito egoísta dos indivíduos, onde o “eu” é superior ao “nós”.

O individualismo abafa a solidariedade, a relação de responsabilidade entre as pessoas. É comum pensar que nas grandes cidades a solidão está relacionada somente aos que moram sozinhos. Pode-se achar que quem optou por este tipo de vida é um solitário. Isso pode ser um engano. São muitos os motivos que levam, principalmente os jovens, a morarem separados dos pais. Muitos saem procurando uma autoafirmação, outros para fugir da realidade da família, mas muitos outros saem para buscar uma vida melhor, para estudar ou procurar um emprego. E aí, se os jovens são vítimas de uma situação de solidão, o que dizer dos velhos que hoje amarguram o resto de suas vidas abandonados pela família em um asilo, porque já se tornaram um “estorvo” para a sociedade?

A solidão é sempre um grito, contido ou não, de quem vive fechado no seu eu. Mesmo cercado por milhares de pessoas, o solitário não encontra alguém que lhe dê um pouco de atenção. A solução, tão difícil nesta época de egoísmo e individualismo, é simplesmente um pouco mais de solidariedade, de diálogo, de amizade sincera, sem segundas intenções. É saber ouvir, saber calar e falar na hora certa. É dar o ombro e compreender o momento que o outro vive, é abrir-se para ajudar, para doar-se, para amar.
Compartilhar:

10 agosto 2018

O que é oração?



                                    O que é oração? 

                                  O nosso modo de rezar é o Senhor quem o concebe


Antes de começarmos a falar sobre oração, precisamos adentrar no seu significado, se é que podemos defini-la. Mas vamos buscar clareza sobre o tema e o modo como a oração pode fazer parte da vida do cristão.


A definição de oração pode ser expressa por palavras, mas o jeito de rezar e o relacionamento com Deus é diferente para cada pessoa. Porém, não podemos inventar o jeito próprio de rezar, mas seguir aquilo que a Igreja já determinou com seus séculos de experiência; contudo, a aplicabilidade é diferente.


Vamos tentar definir oração:


Diziam os Padres do Deserto que a oração é o espelho da alma. Em hebraico, oração é tefillah, que significa “juízo”: […] a oração é a possibilidade de julgar com Deus, de realizar um discernimento sobre a própria vida, sobre a relação com os outros, sobre o próprio relacionamento com as criaturas. É assim que se ordena e se aprofunda a própria interioridade, que se mede o próprio caminho humano, o próprio amadurecimento como crescimento interior adequado à própria idade e situação. (Livro: Onde está Deus? – Padre Reinaldo)


Perceba que a oração não é nossa, mas de Deus. O próprio Senhor nos concede o dom de orar. Por isso, na oração, precisa entrar o julgamento de d’Ele. Nós precisamos nos submeter a Ele na oração. O nosso modo de rezar é o Senhor quem o concebe.





Sobre a oração pessoal.:


“A oração pessoal é insubstituível, porque chega um tempo em que cada um é chamado a encontrar Deus frente a frente, no encontro espiritual. Isso pode acontecer na intimidade do próprio quarto, diante do sacrário, debaixo de uma árvore, no alto de um monte ou à beira-mar. Pode acontecer mesmo ao volante do carro ou em algum momento da Missa, como enquanto a preparamos, antes da coleta, após a leitura ou na homilia, sem dúvida após a santa comunhão e na ação de graças, após a Celebração Eucarística.


A nossa oração privada há de ser realmente pessoal: há de brotar do coração. Podemos exprimi-la com ou sem palavras; não podemos nos limitar a repetir preces escritas por mestres espirituais e por santos, ainda que tais fórmulas nos ajudem a entrar na oração pessoal.


A oração deve ser incessante e continua. Por isso, requer dois pontos:


Qualidade da oração: buscar rezar com o coração para, assim, gerar uma contínua e ininterrupta perseverança. Orai sem cessar (1 Ts 5, 17).


Oração pura e sincera: ser feita com fervor – evitar as inquietações e preocupações. Deixar Deus entrar no santuário do meu coração.”


Para concluir o sentido e o significado do que é oração, fixemos nosso olhar na graça de Deus. E a Igreja a define assim:


“A oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado para o céu, é um grito de gratidão e de amor, tanto no meio da tribulação como no meio da alegria”.



Compartilhar:

08 agosto 2018

A pressa é inimiga da oração



                      A pressa é inimiga da oração

Essa realidade de uma vida agitada e tumultuada tem seus reflexos em nossa vida espiritual, o que torna a pressa inimiga da oração.


Diz um antigo ditado que a pressa é inimiga da perfeição. Infelizmente, somos escravos da pressa, principalmente na sociedade em que vivemos. Tudo acontece numa velocidade muito rápida! As notícias chegam até nós no momento em que os fatos acontecem. A comunicação está a um clique de nossas mãos. Neste tumultuado mundo em que habitamos e vivemos, desaprendemos a saborear os momentos. Na pressa que nos convida a estar sempre agitados interiormente, fazemos tudo no impulso da agilidade que o tempo nos exige.


Essa realidade de uma vida agitada e tumultuada tem seus reflexos em nossa vida espiritual. Enfermos da ‘síndrome da pressa’, nossa caminhada espiritual sofre as consequências de nossa agitação. Rezamos com tamanha rapidez que não conseguimos viver e sentir a força profunda da oração em nossa alma.


Perceba o seu modo de orar. Na maioria das vezes, as orações que saem de nossa boca não acompanham o ritmo de nossa alma. Tudo muito veloz; quando não, muito mecânico. Quando olhamos para essa realidade latente em nossa vida de fé, percebemos claramente que, na maioria das vezes, estamos ligados no “botão automático”.





Quando foi a última vez que saboreamos internamente uma oração do Pai-Nosso rezada com calma e profundidade? Das celebrações litúrgicas que temos participado, quantas temos gravadas com profundidade em nosso coração?


A vida espiritual requer de nós a tranquilidade roubada pelas agitações. As nossas orações necessitam da calma e da paz que nos permitem saboreá-las internamente. Todo excesso de pressa furta de nós uma autêntica construção de nossa vida interior. Faz-se necessário desligarmos o “botão automático” quando nos propomos momentos de oração.


Muitas vezes, será preciso reaprendermos a descobrir onde, em nosso coração, se encontra o lugar sereno que nos permite estar totalmente com o Senhor. Distantes de nós mesmos e imersos na velocidade alucinante da vida, estamos condenados a fazer de nossos momentos espirituais apenas mais um momento que não deixa marcas profundas em nossa caminhada espiritual.


Antes de começarmos a orar, temos de parar, respirar e, uma vez adquirida a serenidade na alma, começar nossa oração. Saboreemos cada palavra que nossa boa pronuncia e, no silêncio do nosso coração, deixemos emergir as mais sinceras preces que nascem de nossa alma.


Reduzindo nossa velocidade interior, vamos vivenciar os momentos de oração como oportunidades de crescimento espiritual e humano. Entre os muitos benefícios que um momento tranquilo de oração nos proporciona, descobrimos que, mesmo que tenhamos pouco tempo para orar, estes serão profundos. Aprenderemos também a reagir com calma diante de situações que necessitam de mais serenidade para serem solucionadas. E ainda experimentaremos que a paz de Deus pode ser uma realidade em meio ao tornado de demandas que a vida nos apresenta.
Compartilhar:

06 agosto 2018

A oração é uma arma para demolir fortalezas



           A oração é uma arma para demolir fortalezas

Deus nos deu a capacidade de destruir qualquer forte que o pirata mais poderoso já tenha construído em nossa vida

“As reuniões para oração coletiva têm resultado em tremendas respostas à oração. Além das respostas específicas, há sempre grandes benefícios espirituais à medida que todos aqueles que estão orando aprendem a persistir mais efetivamente”.

Todos nós temos importantes decisões a tomar, pois são elas que determinam nossa eficiência em derrubar as fortalezas mencionadas na Bíblia.





Deus nos deu a capacidade de destruir qualquer forte que o pirata mais poderoso já tenha construído em nossa vida. Ele nos dá armas “poderosas em Deus para destruir fortalezas” (cf. 2 Co 10,4). A primeira arma talvez seja a mais poderosa que você irá utilizar: a oração. Ela é a grande tarefa para a qual todo cristão foi chamado.
 “A oração não nos equipa para as ‘obras maiores’. Ela é a maior obra de todas”. A Bíblia declara claramente o propósito eterno de Deus para nossa vida: “Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho…” (Rm 8,29). O desejo do coração do Senhor é que nos tornemos iguais a Jesus. Quando a paixão de nossa vida se alinha com a paixão do coração d’Ele, podemos nos colocar de lado e ver Deus fazer coisas extraordinárias. Ele transforma o negativo em positivo, os erros em acertos e as fortalezas ocupadas por piratas em templos cheios do Seu Espírito. Isso nos leva à segunda arma de nossa guerra: o Espírito Santo. A oração nos dá acesso ao trono de Deus, de onde ele mantém todo poder e autoridade. O Espírito Santo é parte da natureza trinitária do Senhor que habita em cada cristão. Ele transporta o poder do céu ao nosso coração para sermos conformes a imagem de Cristo. O Apóstolo João escreveu: “Filhinhos, vós sois de Deus e tendes vencido os falsos profetas, porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo” (1 Jo 4.4).

Há muitos anos, um grande pregador proclamou o Evangelho e uma jovem entregou seu coração a Cristo. Ao término da reunião, o pregador lhe perguntou: “O que você fará quando o diabo bater à porta do seu coração?”. Ela parou e pensou antes de responder. “Eu acho que só vou pedir para Jesus atender à porta”. A jovem compreendeu uma grande verdade bíblica. A vitória não está no nosso poder, mas no poder d’Aquele que vive em nós. Ele é nossa força, a nossa fortaleza, a rocha da nossa salvação. Ele é aquele que nos leva a vencer.

“A oração nos dá acesso ao trono de Deus e nos permite tomar posse do poder e da autoridade de Cristo”. O Espírito Santo habita em nós e nos dá poder para demolir as fortalezas. “A oração libera o Espírito Santo para nos tornar iguais a Cristo”
Compartilhar:
Proxima  → Inicio

Rádio

Grupo de Oração

Grupo de Oração

Postagens antigas

Postagens mais visitadas

Reflexão

Mensagens

Nossa Senhora Fátima

Nossa Senhora Fátima

Parceria

Parceria

Parceria

Postagens populares