02 janeiro 2011

Um olhar de otimismo para o futuro

Deixemos que o Senhor da nossa história nos atinja com o Seu olhar.

"O Senhor se inclina lá dos céus sobre os homens, para ver se existe um homem de bom senso, alguém que procure a Deus (Sl 14, 2)". O Verbo de Deus feito Carne, Nosso Senhor Jesus Cristo, tem sobre as pessoas um olhar feito de profundidade, conhecimento, acolhida e misericórdia. Tendo o Senhor garantido Sua presença conosco até o fim dos tempos, todos os dias ele repete e renova Sua presença amorosa, que lança luz sobre os acontecimentos e sobre o desenrolar de nossos dias. Chegar ao limiar de um novo ano é oportunidade privilegiada para confrontar com o olhar de Jesus os passos dados e projetar o futuro.


Três olhares de Jesus provocam nossa reflexão. O primeiro deles foi dirigido ao jovem rico do Evangelho (cf. Mc 10, 21), sem dúvida, uma pessoa bem comportada. Terá cumprido bem todas as suas obrigações, terminando cada período da vida com as contas pagas, uma pessoa de bem, tanto que Jesus, fitando-o com amor, pediu-lhe o passo da radicalidade, seguimento estrito, no qual Deus é posto em primeiro lugar. O moço abaixou a cabeça e foi-se embora, porque era muito rico.

O segundo olhar é para Judas, o traidor. Tendo abandonado a Ceia, tudo se fez noite (cf. Jo 13, 30)! O Jesus preso no horto, traído por um beijo, preso nos pátios do Sinédrio e do Palácio de Pilatos, viu e foi visto por Judas (cf. Mt 27, 3-9; Lc 22 47-53). O olhar de amor resultou em desespero, pois a luz se fez e o amigo de antes não conseguiu dar o passo de confiança na misericórdia infinita! Recebeu muito, comprometeu-se à custa de um dinheiro sujo, corrompeu-se e não conseguiu voltar atrás.

A terceira figura, não menos pecadora, é nosso amigo Simão Pedro. Negou conhecer seu Senhor, encontrou também o olhar de Jesus e chorou amargamente. Não sabemos medir se foi maior o pecado de Pedro ou de Judas. O que sabemos é que um deles se isolou no desespero e o outro, banhado nas lágrimas, refugiou-se na comunidade dos discípulos. Medroso que era, precisou, depois da Ressurreição de Cristo, da ajuda de Maria Madalena e de João. O que negara tão vergonhosamente veio a ser testemunha qualificada do Ressuscitado!

Ao terminar o ano de 2010, deixemos que o Senhor da história nos atinja com Seu olhar de amor. Quem cumpriu todos os seus deveres não se encha de orgulho, mas encontre novo apelo à perfeição que vem de Deus. Dê graças a Deus, fonte de todo o bem! Há muito mais por fazer, há generosidade plantada do coração e pronta a florescer. Há um forte convite à partilha, há irmãos e irmãs que sofrem e gritam por maior generosidade.

Com a passagem de ano, haja em nós a ação de graças. É digno saber agradecer e ver o bem que foi feito pelos outros e por nós. Um sadio olhar de otimismo faz bem para o corpo e para a alma. Se identificamos os erros cometidos, acreditar no perdão, chorar, sim, os pecados cometidos, lavá-los na graça do Sacramento da Reconciliação e recomeçar.

O ano novo já é feliz, porque existimos e porque não estamos sós neste mundo.
_______________________________________________________
Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém - PA
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Rádio

Grupo de Oração

Grupo de Oração

Postagens antigas

Postagens mais visitadas

Reflexão

Mensagens

Nossa Senhora Fátima

Nossa Senhora Fátima

Parceria

Parceria

Parceria

Postagens populares