20 agosto 2012

Senhor, dai-me um coração desprendido

Neste texto, Jesus nos dá a grande lição de tudo oferecer, aqui na Terra, para tudo receber no Céu. Assim, se você, meu irmão, quer ter como herança a vida eterna, não tem outro caminho senão “ir, vender tudo o que tens e distribuí-lo aos pobres”.

O comportamento de Jesus e a Sua Palavra, as Suas ações e os Seus preceitos constituem a regra moral da vida cristã. De fato, estas Suas ações e, particularmente, a Sua Paixão e morte na cruz, são a revelação viva do Seu amor pelo Pai e pelos homens. É precisamente este amor que Jesus pede que seja imitado por quantos O seguem.

Ao chamar o jovem para segui-Lo pelo caminho da perfeição, Jesus lhe pede para ser perfeito no mandamento do amor, para inserir-se no movimento da Sua doação total, para imitar e reviver o próprio amor do Mestre bom, d’Aquele que amou até ao fim. É o que Jesus pede a cada homem que quer segui-Lo: “Se alguém quiser vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16,24).

Seguir Cristo não é uma imitação exterior, já que atinge o homem na sua profunda interioridade, mas significa ser como Ele, quem se fez servo até ao dom de si sobre a cruz. Pela fé, Cristo habita no coração do cristão (cf. Ef 3,17) e, assim, o discípulo é assimilado ao seu Senhor e configurado com Ele.

O moço, ouvindo essa palavra, saiu pesaroso, pois era possuidor de muitos bens. Ele foi obediente à sua vocação? Não. Antes, retirou-se triste e pesaroso, porque tinha apego à sua grande fortuna.

Infeliz, ele tapa os ouvidos à voz de Nosso Senhor, com o coração cheio de tristeza, porque a alegria só é possível quando há generosidade e desprendimento, quando há essa disponibilidade absoluta diante do querer de Deus que se manifesta em momentos bem precisos da nossa vida e, depois, na fidelidade ao longo dos dias e dos anos.

A tristeza deste jovem leva-nos a refletir. Podemos ser tentados a pensar que possuir muitas coisas, muitos bens deste mundo, pode nos fazer felizes. No entanto, no caso do jovem do Evangelho, as riquezas se tornaram um obstáculo para aceitar o chamado de Jesus que o convidava a segui-Lo. Não estava disposto a dizer “sim” a Jesus e “não” a si mesmo, a dizer “sim” ao amor e “não” à fuga.

O amor verdadeiro é exigente, porque foi Jesus – o próprio Jesus – quem disse: “Vós sereis meus amigos se fizerdes o que eu vos mando” (Jo 15,14). O amor exige esforço e compromisso pessoal para cumprir a vontade de Deus. Significa sacrifício e disciplina, mas significa também alegria e realização humana.

O jovem do Evangelho se afastou tristemente de Cristo Jesus, fonte da verdadeira alegria, para buscar a felicidade nos bens passageiros desta vida. Quanta ilusão!

Infeliz daquele que diz “não” ao Senhor do universo, que tapa os ouvidos ao Seu convite, que “franze a testa” perante a Sua Lei e que olha com indiferença para Aquele único Senhor que lhe pode dar a verdadeira alegria. Esse viverá em contínua frustração!

Seguir Cristo de perto é o nosso ideal supremo. Não queremos nos retirar da Sua presença como aquele jovem, com a alma impregnada de profunda tristeza por não termos sabido nos desprender de uns bens de pouco valor em comparação com a imensa riqueza de Jesus.

Que o Senhor nos ajude com a Sua graça para que, a cada momento, possa contar efetivamente conosco para o que queira. Livres de objeções e de laços que nos prendam.

Senhor, não tenho outro fim na vida a não ser buscá-Lo, amá-Lo e servi-Lo. Dê-me um coração desprendido de todas as riquezas do mundo. Quero ser como o Senhor e receber o puro de Deus, para tudo dar aos meus irmãos – por amor -, a fim de que tenha como herança a vida eterna.
__________________________________
Padre Bantu Mendonça
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Rádio

Grupo de Oração

Grupo de Oração

Postagens antigas

Postagens mais visitadas

Reflexão

Mensagens

Nossa Senhora Fátima

Nossa Senhora Fátima

Parceria

Parceria

Parceria

Postagens populares