17 junho 2014

Virtude, a alegria sem opressão


       Virtude, a alegria sem opressão



Comparada a educação aplicada às novas gerações, as pessoas que têm
 mais de 40 anos percebem, facilmente, a grande diferença que há na 
maneira como elas foram educadas. Talvez, temendo a desonra ou a ofensa
 à reputação da família, exigia-se dos filhos o pudor, não somente no 
comportamento ou nas roupas, mas nas brincadeiras e em todas as outras
 atitudes.
Os ensinamentos de uma educação rígida parecia pesar mais sobre as mulheres. 
Assim, os decotes eram comportados e as saias compridas à altura dos 
joelhos. As roupas, de maneira geral, em nada podiam marcar a silhueta
 do corpo feminino. A mesma preocupação havia para os trajes de banho, 
pois estes deveriam cobrir, de maneira moderada, algumas partes do corpo.
Transmitindo, ainda hoje, a ideia de que tudo é vergonhoso, imoral ou 
desrespeitoso, algumas pessoas têm dificuldades para acolher, com 
naturalidade, as partes mais íntimas do seu próprio corpo. Outras, mal
 conseguem se despir perto da pessoa com quem se casou.
É claro que os modos de se vestir não formam o caráter de ninguém. 
Sabemos que os tempos são outros e reconhecemos que, no passado, 
a maneira de se transmitir valores, quase sempre acontecia de modo
 opressor. No entanto, hoje, temos a impressão de que se tornou proibido 
proibir.
Percebemos estar cercados por uma cultura que maximiza o apelo à sensualidade.
 Isso parece ser a principal via em todas as mídias e está presente nos 
programas humorísticos, nas novelas, nas propagandas… Em quase tudo, 
observa-se a presença de uma bela modelo e, muitas vezes, ela chama mais

 a atenção do público do que o próprio produto apresentado.
Houve um tempo no qual as revistas com conteúdo impróprio para 
menores eram vendidas em embalagens escuras para ocultar as 
imagens da capa. Atualmente, em alguns sites na internet,ampliou-se os 
poderes da imaginação com cenas explícitas de sexo em alta definição.
 Com tanta informação disponível, pessoas de todas as idades vivem 
embaladas ao ritmo do prazer vendido nas fotografias ou vídeos, 
comportando-se como quem sofre de uma verdadeira compulsão por tudo
 aquilo que diz respeito ao erótico ou ao sensual. A inocência foi 
ofuscada pela lascividade.
Jovens e adultos, numa concepção frágil sobre aquilo que interpretam 
como liberdade, rompem escrúpulos, derrubam normas, vivem 
relacionamentos desordenados, quase tudo por conta do liberalismo massificado
. Ainda que eles saibam das consequências de seus atos, vivem como se tudo
 fosse natural, a ponto de transformar um ato sexual numa experiência sem 
compromisso. Muitas vezes, com alguém que conheceu há um dia ou 
com outras pessoas que, normalmente, não se relacionariam.
Não é difícil encontrar pessoas se comportando como se não tivessem domínio
 sobre si mesmas, revelando uma incapacidade de controlar seus impulsos.
Ensinar nossos filhos sobre a valorização das virtudes é prepará-los 
para viver o respeito ao próximo. Cabe a nós pais formar neles essa 
consciência. Assim como foi preciso nosso exemplo para lhes 
ensinar a balbuciar as primeiras palavras, será necessário ajudá-los 
a alcançar uma vida dentro da moral e dos bons costumes, a fim 
de que eles possam discernir sobre tudo aquilo que está maquiado
 como “normal”.
Tal ensinamento propicia a alegria de quem amamos, sem tolher a felicidade
 ou oprimir sua liberdade.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Rádio

Grupo de Oração

Grupo de Oração

Postagens antigas

Postagens mais visitadas

Reflexão

Mensagens

Nossa Senhora Fátima

Nossa Senhora Fátima

Parceria

Parceria

Parceria

Postagens populares